Prazer, desesperada

Tudo era muito lindo, até o dia em que eu resolvi sair da casa da mamãe. Na minha inocência, acreditava ser sozinha. Mas bem escondidinho, em meio às receitas básica para sobrevivência, estava o desespero. Cada vez que eu ia cozinhar um arroz, quando chegava no item “sal” sempre era “a gosto”. Eu nunca pensei, mas tenho o gosto muito duvidoso.

 

Na primeira vez, uma colher de sopa BEM cheia, para uma porção de uma xícara de arroz. Não preciso nem dizer que a única saída foi recorrer ao macarrão instantâneo, né? Na segunda tentativa, a iguaria escolhida era macarrão. Mais uma vez o tal do “sal a gosto” fez brotar pontos de interrogação em torno de mim. Baseada na experiência anterior, coloquei bem pouquinho, o equivalente a uma colher de cafezinho de sal. Ficou horrível. E já havia acabado o estoque de comida instantânea…

 

Mas hoje eu posso dizer que sou uma vencedora. Eu sobrevivi! Ou melhor, venho sobrevivendo, ainda estou no aprendizado a como lidar com o pimenta a gosto, alecrim a gosto, entre outros gostos. Por aqui, quero aprender com você, seja um estudante que está indo morar pela primeira vez longe dos pais ou recém-casado(a) que, pela primeira vez, está na lida doméstica, enfim, você que já passou por estes desesperos. E também compartilhar um pouco dos meus temperos. Bem-vindos!